Parque do Curió

Parque Municipal Natural Curió

parque do curió

Segundo maior parque florestal do rio do janeiro

Segundo maior parque municipal do estado do Rio de Janeiro, foi criado em 2009 com 913 hectares. O ITPA participou de todo o processo de criação da unidade, rica em recursos hídricos, como mananciais e nascentes, além de alto grau de beleza cênica. Estes atributos conferem, à área, alto potencial de conservação, também por estar no mais representativo remanescente de Mata Atlântica da zona central do Corredor de Biodiversidade Tinguá – Bocaina – parte integrante de um dos terrenos prioritários para a preservação desse ecossistema.

Zona núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o perímetro ocupado pelo Curió é constituído, em sua maior parcela, por florestas baixo montanas, historicamente devastadas em função dos processos de ocupação das Baixadas. É rico em espécies de aves, algumas ameaçadas de extinção. O Plano de Manejo foi desenvolvido pelo Instituto, que ainda prestou auxílio para a prefeitura no processo de desapropriação de terras, o primeiro realizado em todo o Rio de Janeiro (no âmbito das unidades de conservação municipais) com recursos de compensação ambiental.

Esta unidade assume importância estratégica ao proteger remanescentes florestais significativos e possibilitar, ao longo do tempo, a conectividade entre as porções de vegetação isoladas – além do intercâmbio de espécies, algo que oferece maior diversidade genética e manutenção da biodiversidade. O parque também apresenta grande riqueza de recursos hídricos, como mananciais e nascentes, que precisam de cuidado.

O nome

A região é lar de uma série de espécies da avifauna que sofrem com o declínio populacional em todo o sudeste, como o cuspidor (Conopophaga melanops) e o entufado (Merulaxis ater). Mas o nome da unidade surgiu em função do fato de que ela mantém habitats ideais para a multiplicação do número de curiós (Oryzoborus angolensis) na vida selvagem. É curioso (e, ao mesmo tempo, preocupante) que, durante as pesquisas de campo realizadas pelo ITPA e parceiros, nenhum indivíduo da ave tenha sido encontrado, em virtude da excessiva captura, principalmente. O dialeto da população destes bichos é considerado único no país.

Características

Os climas brando subtropical nas áreas montanhosas e tropical quente e úmido nos compartimentos mais baixos são bem definidos. Chega a altitudes de até 690 metros. O município de Paracambi tem, de modo geral, florestas em bom estado de conservação, mas ainda existem práticas agrícolas tradicionais em alguns pontos específicos. A unidade está dentro da bacia hidrográfica do rio Guandu e possui o melhor remanescente de vegetação de toda a cidade.

Isto posto, os parceiros entenderam que o manejo da área deveria ser feito através da criação de um parque, unidade de conservação de proteção integral, com vistas à proteção da natureza e uso indireto de seus recursos naturais. Ele cuida dos ecossistemas naturais de relevância ecológica e beleza cênica, mas aceita pesquisas científicas, atividades de educação ambiental e turismo, entre outros. O Parque do Curió une a Serra das Araras e a Reserva Biológica do Tinguá.

As atividades desenvolvidas dentro desta unidade de conservação devem obedecer às seguintes diretrizes:

A visitação pública está sujeita às normas e restrições estabelecidas no Plano de Manejo da Unidade, às normas estabelecidas pelo órgão responsável por sua administração e àquelas previstas em regulamento.
A pesquisa científica depende de autorização prévia do órgão responsável pela administração da Unidade e está sujeita às condições e restrições por este estabelecidas, bem como àquelas previstas em regulamento.

Fonte: ITPA